Diva Benevides Pinho – uma história de dedicação

Tela da série cidades

Professora Emérita e Titular do Departamento de Economia da FEAUSP, graduada e licenciada em ciências sociais pela FFLCH/USP e  Advogada formada pela FD/USP, doutora em economia, poliglota, artista… Todas essas habilidades refletem apenas uma fração do currículo da Professora Diva Benevides Pinho, cuja história de vida é um tratado de dedicação à cultura em geral e à Universidade de São Paulo em particular.

Herdeira intelectual da missão francesa que implantou o ensino de economia na USP a partir do curso de Ciências Socias da, então,  Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras (FFCL-USP), a Professora sempre defendeu a economia de face humana. Seus professores da Missão Francesa sempre insistiram no aspecto humanístico dos estudos econômicos. Mas, reconheciam que a Economia enfrenta ambiguidades porque visa, ao mesmo tempo, satisfazer as necessidades humanas e produzir “bens” que precisam ser medidos, pesados, contados e vendidos segundo a lógica do mercado. Conciliar o homem-ser social com a racionalidade do homo economicus é um problema complexo, porém não impossível  em se tratando de uma ciência social.

Seu longo tempo de vivência com economistas da USP possibilitou-lhe um acompanhamento de toda a evolução do ensino da economia na FEA, inclusive como Chefe do Departamento, cargo exercido por 8 anos.

Cientista por formação e artista por vocação, seus últimos livros “A arte no Brasil e no Ocidente” e “O Mercado da Arte” reúnem seus talentos para os estudos econômicos com os da arte, assunto que domina magistralmente.

Pioneira, desde sempre, elegeu como tema para sua tese de doutorado o “Cooperativismo” e sobre ele escreveu livros e lecionou em vários países.

Aposentada, mas nem por isso distante de suas atividades acadêmicas, atua como Professora Senior do Departamento de Economia da FEAUSP, criou e preside o Instituto Carlos e Diva Pinho, composto pelo FUNCADI e pela Casa da Cultura e, ainda, patrocina um dos auditórios da Biblioteca da FEA.

Em março concedeu uma breve entrevista à revista Diálogos e Debates , na qual relata um pouco de sua história. Aproveitando a ocasião, divulgamos a entrevista Por uma economia com face humana e  convidamos a Professora para um bate-papo sobre seus novos estudos e projetos, sua disposição constante em patrocinar a cultura e seu amor pela arte e pela USP. Dividiremos com nossos leitores um pouco dessa tarde inesquecível e agradável que ela, muito bem humorada, nos proporcionou.

1 ) Foi surpreendente ler que a pintura entrou em sua vida depois de todo seu desenvolvimento acadêmico, como foi esse despertar?

Eu me interessei pela arte quando comecei a me preocupar com a aposentadoria. As empresas estrangeiras, as multinacionais, preparam as pessoas para esse momento, no Brasil nós não temos essa tradição. Minha vida inteira foi de dedicação integralíssima à USP, então tinha medo de me aposentar e achava que precisava de um “hobby”. A esposa de um dos ex-diretores da FEA dirigia uma associação de obras de caridade e eu procurei me integrar a ela. Faziam trabalhos manuais, vendiam e revertiam o lucro para  caridade. Mas eu não quis fazer trabalhos de tricô e crochê, então saí da linha de produção e comecei a fazer outro tipo de artesanato: bichinhos de pedra que eu mesma pintava e eles eram colocados à venda nas feiras de caridade. Depois de um tempo comprei um pirógrafo e só não “decorei” as portas e  janelas de minha casa porque o marido não deixou. Quando cansei disso também uma professora de artesanato me disse para tentar uma tela. Pensei que não era capaz, mas ela colocou uma  tela em minha frente e ordenou-me: Tente!  Então, desenhei o símbolo internacional do Cooperativismo, que significa também nosso sobrenome –  um pinheiro alto e frondoso que protegia um outro menor. Corri para  casa e mostrei a tela para o marido, perguntando-lhe – qual deles sou eu? Você é o grande, respondeu-me gentilmente. Gostei da resposta, embora sentisse o contrário – sempre procurei seguir seu caminho intelectual. E não parei mais de pintar.

Continuar lendo