Cursinho FEAUSP tem inscrições abertas até 26 de janeiro

Conteúdo extraído de: https://www.fea.usp.br/fea/noticias/cursinho-feausp-tem-inscricoes-abertas-ate-26-de-janeiro?fbclid=IwAR2N7sXjZNkHW0yhUS11IoRt2_N78lmXzIvQLuNqa4KUMv96BEE1Fs7kdNc

O cursinho pré-vestibular da FEAUSP, que é gratuito e voltado para jovens de baixa renda, já está com as inscrições abertas para as novas turmas. Em 2022 serão oferecidas 120 vagas. As inscrições podem ser feitas pela internet até o dia 26 de janeiro e o valor da inscrição é de R$ 28.

Na primeira etapa, além de se inscrever, o candidato deve responder a um questionário socioeconômico, além de redigir uma carta motivacional até o dia 4 de fevereiro. A lista com os pré-aprovados será divulgada no dia 8 de fevereiro pelas redes sociais do cursinho. Os selecionados para a segunda fase do processo seletivo deverão produzir uma redação proposta a partir de um tema determinado. A segunda fase ocorrerá de 9 a 13 de fevereiro.

O cursinho FEAUSP mantém duas turmas, uma com aulas durante a semana, das 12h50 às 18h30, e outra aos sábados, das 8h às 18h30.

Sem fins lucrativos, o cursinho pré-vestibular da FEA é administrado pelos próprios alunos da Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da USP. Ele foi criado em 2000 com o objetivo de auxiliar os jovens a ingressar em universidades públicas.

Países que adotaram medidas de segurança sanitária tiveram crescimento econômico maior na pandemia

Leonardo Puehler diz que cada país foi avaliado com base nas medidas financeiras, de contingenciamento e de liquidez que adotou

Conteúdo extraído de: https://jornal.usp.br/?p=484238

Economia em tempos de covid-19 – Arte: Luana Franzão

A crise sanitária iniciada em 2020 teve consequências expressivas para a economia, e tanto governos como bancos centrais adotaram medidas de proteção do mercado financeiro. Em entrevista ao Jornal da USP no Ar 1ª Edição, Leonardo Puehler, graduando do Departamento de Economia da Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade (FEA) da USP, comenta os resultados distintos das ações de 95 países para fornecer socorro monetário em meio à pandemia.

Puehler conta que tal análise se fundamentou em três componentes de enfrentamento à crise: cada país foi avaliado com base nas medidas financeiras, de contingenciamento e de liquidez que adotou. Medidas financeiras são aquelas promovidas pelos próprios governos para preservar a economia, como a distribuição de auxílios emergenciais, por exemplo. Medidas de contingenciamento buscam garantir a segurança sanitária, o que pode ser alcançado através de lockdowns e distanciamento social. Por fim, medidas de liquidez são promovidas pelos bancos centrais para garantir que exista dinheiro em circulação no país, de modo a movimentar a economia. 

Importância da liquidez no desempenho econômico

Durante crises, “os bancos precisam de capital para operar, emprestar e fazer operações. Principalmente no caso do Brasil, todo mundo buscou segurança, o que estava na compra do dólar. A moeda fugiu do País. O papel do Banco Central, então, é garantir a liquidez necessária para continuar funcionando”, explica o graduando. 

A partir da verificação de dados fornecidos pelo Fundo Monetário Internacional, Puehler revela que os Estados que aderiram às medidas mais drásticas de segurança sanitária tiveram um maior crescimento econômico em 2020, e cita, como exemplo, a Nova Zelândia e a Irlanda. Outros países atingiram um resultado similar com a adoção de medidas financeiras eficazes, como os Estados Unidos. “O Brasil ficou no meio do caminho: promoveu ações econômicas de grande impacto, mas não promoveu as de contingenciamento”, completa.

Além disso, países mais ricos e estáveis apresentaram resultados distintos de países em desenvolvimento: “O Chile, por exemplo, teve um desempenho melhor do que o Brasil, mesmo sendo uma economia muito próxima”, ilustra o entrevistado. 

Por fim, Puehler expõe que o desempenho institucional dos bancos apresentou mudanças significativas na atual recessão. “Grandes crises anteriores, como as de 2008 e 1929, tiveram causas centradas na economia. Desta vez, a causa da crise foi sanitária, e suas consequências econômicas exigiram uma ação muito diferente dos bancos centrais”, diz. “Eles precisaram articular medidas de socorro em escalas menores, para negócios de tamanhos menores, com muita intensidade, e gastaram muito mais dinheiro do que haviam gastado em outros momentos de crise”, finaliza.

Informes – Renovação de empréstimos e acesso a serviços remotos

Com o final de ano, podem surgir dúvidas quanto aos prazos de empréstimo e o acesso a serviços remotos, como as bases de dados e e-books. Por isso, adaptamos o conteúdo do informe semanal da @fea.usp para ajudar vocês!

Renovação de empréstimos

A renovação online dos empréstimos dos livros será ilimitada até fevereiro de 2022.
Para efetuar a renovação e acompanhar seu histórico de empréstimos, acesse http://dedalus.usp.br/

E-books

Proquest Ebooks Central
Tutorial: https://bit.ly/3IYzsK6

Biblioteca Virtual Pearson

Composta pelos selos editoriais da Pearson Education, Contexto, IBPEX/Intersaberes, Cia das Letras, Casa do Psicólogo, Rideel, Aleph, Papirus, EDUCS, Jaypee Brothers, Callis, Lexikon, Summus, Interciência, Autêntica, Vozes, Freitas Bastos, Ofi cina de Textos, Difusão, EdiPUCRS, Brasport, Labrador, Yendis,
Blucher e Atheneu.

Entre em contato com a Biblioteca para maiores esclarecimentos: bibfea.atend@usp.br

Bases de dados financeiras

Refinitiv Eikon

O acesso remoto está disponível aos docentes e alunos ativos da FEA.

Para solicitar acesso, envie e-mail para bibfea.atend@usp.br, informando: nome completo, número USP, e-mail USP e curso.

Capital IQ

Para acessar a ferramenta, devem enviar e-mail para bibfea.atend@usp.br com as seguintes informações: nome completo, e-mail USP, número USP, telefone de contato e curso e vínculo com a FEA.
Dúvida da plataforma: support.ciq@spglobal.com

Plataforma Turnitin

A Biblioteca criou a Estação FEA de auto checagem Turnitin. A análise é feita por meio de relatórios de similaridade.

Entre em contato com a Biblioteca bibfea.atend@usp.br para solicitar seu cadastro.

Siga nossas redes sociais!

Estamos trabalhando para juntos atendermos às recomendações que visam à redução da transmissão do coronavírus, a minimização dos impactos locais da pandemia e no intuito de continuarmos cumprindo nossa função social.

[Evento online] Rede GQVT – As Tecnologias 4.0 e os Benefícios para a Sociedade 5.0

A Rede GQVT (Rede de Estudos em Gestão da Qualidade de Vida no Trabalho no Brasil), do Departamento de Administração da FEA-USP e da FIA (Fundação Instituto de Administração, conveniada à USP) convida para a reunião acerca das novas tecnologias e a relação com a sociedade.

Imagem via Instagram @fea.usp

O evento ocorrerá nesta sexta-feira, 17/dezembro/2021, entre as 11h e 12h30.

Mais informações e inscrições no Sympla, pelo link https://bit.ly/3saMcaG

Siga nossas redes sociais!

Estamos trabalhando para juntos atendermos às recomendações que visam à redução da transmissão do coronavírus, a minimização dos impactos locais da pandemia e no intuito de continuarmos cumprindo nossa função social.

FAPESP lança o Programa Nova Geração

Recentemente, a FAPESP divulgou um novo programa, chamado Nova Geração, o qual trouxe duas novas modalidades de pesquisa (Projeto e Geração). Essa iniciativa visa o fomento à pesquisa de cientistas em início de carreira. O edital para a modalidade Projeto Inicial π foi lançado este mês, e o edital para a modalidade Geração será lançado no início de 2022.

A FAPESP disponibilizou em seus canais mais informações a respeito dessa novidade:

Site: https://bit.ly/3s3FuTI
YouTube: https://bit.ly/3IHD8jk

Siga nossas redes sociais!

Estamos trabalhando para juntos atendermos às recomendações que visam à redução da transmissão do coronavírus, a minimização dos impactos locais da pandemia e no intuito de continuarmos cumprindo nossa função social.

Confira a lista dos estudantes que receberam menção honrosa na etapa internacional da 29ª edição do SIICUSP

Dentre eles, destacamos estudantes da FEA Laissa Gama Vieira, com o trabalho “Quality of explanatory notes on the implementation of IFRS 15 – Revenue from Contracts with Customers”; Maria Clara Felinto Moreira, com o estudo “Homo narrans: Narrative contagion and the diversification of economic models”; e Marcelo Trevilato Dorascienzi (FEA-RP), que apresentou o trabalho “Analysis of the evolution of technological areas and the relationship with capital control and the target markets of patents”.

Você encontra a lista na íntegra em: http://siicusp.prp.usp.br/wp-content/uploads/2021/12/29_Honorable-Mention.pdf

Parabéns a todos!

Siga nossas redes sociais!


Estamos trabalhando para juntos atendermos às recomendações que visam à redução da transmissão do coronavírus, a minimização dos impactos locais da pandemia e no intuito de continuarmos cumprindo nossa função social.

FEA lança MBA Executivo para a comunidade negra em parceria com a UNIPALMARES

Pode ser uma imagem de 6 pessoas, ao ar livre e texto que diz "NO SITE DA FEA 75FEAUSP 2021 ப FEA lança MBA Executivo para a comunidade negra em parceria com a UniPalmares"

Por Cacilda Luna

Na semana em que se comemorou o Dia da Consciência Negra, a Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da USP em parceria com a Universidade Zumbi dos Palmares anunciou o lançamento de três cursos gratuitos para a comunidade negra. O primeiro curso é o MBA Executivo em Inovação e Gestão Estratégica de Negócios, que terá um investimento de R$ 625 mil. Em fase de captação de recursos, o curso depende de patrocinadores para ser implementado. As aulas serão dadas por professores de ambas as instituições. O anúncio foi feito durante uma live transmitida pela TV Zumbi, no último dia 18 de novembro, da qual participaram dirigentes e professores da FEAUSP e da UniPalmares.

Além do MBA Executivo, o Curso de Extensão sobre Gestão da Diversidade Racial Empresarial também depende de patrocínio. Seu investimento está estimado em R$ 75 mil. O curso é voltado para profissionais de nível superior interessados em desenvolver competências para atuar na gestão da diversidade racial empresarial.

O outro curso é o Laboratório de Inovação e Aceleração de Afroempreendimentos. Trata-se  de uma jornada de inovação e afroempreendedorismo que contribuirá para a formação de empreendedores inovadores, além de fomentar o desenvolvimento de empresas nascentes de base tecnológica e/ou inovadoras (startups) e iniciativas de corporate venture — investimentos de empresas estabelecidas em startups — preparando empreendedores negros para sua jornada de captação de capital de risco.

O lançamento dos cursos para a comunidade negra é fruto do acordo de cooperação acadêmica firmado em julho passado pela FEA e a UniPalmares. Na ocasião, as instituições anunciaram a criação de uma escola de negócios e empreendedorismo para jovens negros e o lançamento do Centro de Estudos e Pesquisas em Economia, Gestão, Negócios e Diversidade Racial Empresarial. O objetivo dessa parceria é fomentar a inclusão do negro no mundo dos negócios, promovendo a capacitação de futuros empreendedores, além de criar lideranças para atuarem em postos de destaque nas empresas brasileiras e estrangeiras.

A professora da FEA e coordenadora do CEATS (Centro de Empreendedorismo Social da USP), Graziella Comini, disse que o Brasil tem uma dívida histórica com a população afrodescendente e que a Universidade ainda não conseguiu ter uma representação fiel da sociedade tanto em seu corpo discente quanto no corpo docente. “Esses cursos vêm para a gente dar conta de algo que não conseguimos enquanto sociedade”.

Sobre os objetivos dos cursos lançados pela FEA e UniPalmares, Comini ressaltou que é visível entre os estudantes universitários o interesse em empreender, ser donos de seu próprio negócio. “Esse é um MBA inovador, pois não conhecemos nenhum igual no país direcionado para a população negra. Vimos como necessidade colocarmos o conhecimento técnico de nossos professores, tanto da USP quanto da Zumbi dos Palmares, a serviço da sociedade, oferecendo a possibilidade para os jovens negros ampliarem sua visão de mundo, e oferecendo conhecimento para que possam ter maior mobilidade dentro das corporações”.

Segundo dados do IBGE, de 2019, apesar do Brasil possuir a maior população negra fora da África, o mercado de trabalho não reflete oportunidades para a equidade racial empresarial. Existem poucos negros em quadros executivos e falta de profissionais qualificados para ocupar cargos executivos dentro das empresas. “Com esses três cursos a gente dá nossa contribuição. Não queremos mais ouvir argumentos de que não existem executivos negros porque eles não têm preparo. Isso é falso. Então, a gente imagina que possamos eliminar esse aspecto e trabalhar para que esse ambiente corporativo seja efetivamente inclusivo”, concluiu Graziella Comini.

Divulgação da renovação de assinatura da plataforma Capital IQ

Prezados usuários,

Informamos que a FEA renovou a assinatura da Plataforma Capital IQ.

O acesso remoto está disponível aos docentes e alunos ativos da FEA.

Para solicitar acesso, envie e-mail para bibfea.atend@usp.br,  informando: nome completo, número USP, e-mail USP e vínculo (curso, graduação, pós-graduação, docente).

Para dúvidas pontuais a respeito da plataforma, contatar support.ciq@spglobal.com.

Siga as nossas redes sociais:

Estamos trabalhando para juntos atendermos às recomendações que visam à redução da transmissão do coronavírus, a minimização dos impactos locais da pandemia e no intuito de continuarmos cumprindo nossa função social.

Processo seletivo para mestrado e doutorado na FEAUSP: inscrições abertas

Estão as abertas as inscrições para o Processo Seletivo do Mestrado e Doutorado para 2022 no PPGCC até 20.12.2021. Confiram o Edital no site https://lnkd.in/gjYuDZK

Patrícia Ellen diz que pandemia aprofundou mais a desigualdade

Conteúdo original em: http://www.fea.usp.br/fea/noticias/patricia-ellen-diz-que-pandemia-aprofundou-mais-desigualdade

Texto de Pedro Ferreira

Foto por Riya Kumari em Pexels.com

No dia 5 de outubro, a segunda aula magna comemorativa dos 75 anos da FEAUSP recebeu Patricia Ellen da Silva. Ex-aluna da Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da Universidade de São Paulo e atual secretária de Desenvolvimento Econômico do Governo do Estado de São Paulo, a convidada abordou o desenvolvimento na construção da Nova Era e mostrou suas expectativas para a gestão pública nos próximos anos.

Natural de Vila das Belezas (Campo Limpo), Patricia se formou em Administração pela FEA e foi a primeira de sua família a entrar em um curso superior. Também passou pela Universidade Presbiteriana Mackenzie, onde cursou Direito, trabalhou como estagiária e tornou-se sócia. Em 2019, assumiu o cargo na secretaria estadual a convite do governador João Dória.

Patricia contou que desde o começo teve a liberdade de montar uma equipe de confiança e se preocupou com a diversidade dos colaboradores. A gestão foi orientada por um desejo de combater desigualdades, garantir inovação em ciência e ações com base em dados e ser diversa na prática. “Não dá para mudar políticas para mulheres, negros, quilombolas e indígenas se não tivermos essa população refletida na própria gestão pública”, afirmou.

Pega de surpresa pela pandemia, Patricia contou que foi necessário montar um gabinete de gestão de crise para tomar decisões que conciliassem os interesses econômicos com as orientações sanitárias. Para ela, as medidas adotadas pelo estado de São Paulo possibilitaram o controle pandêmico, com a alta adesão da vacinação pelos cidadãos — que supera a de países desenvolvidos como Estados Unidos, França e Reino Unido — e manutenção do uso obrigatório de máscaras e distanciamento social.

A liderança feminina foi um dos temas mais abordados pela secretária. A pandemia aprofundou ainda mais a desigualdade de gênero, com os dados de que o empreendedorismo feminino por necessidade cresceu mais que o dobro do que o masculino e que a cada três pessoas desempregadas, duas são mulheres. Patricia mencionou algumas ações afirmativas feitas para contornar a situação, como os programas Empreenda Mulher, SP Tech Mulher e o Selo Paulista da Diversidade.

Patricia mencionou que cerca de 20 quilômetros separam sua atual residência da região de Campo Limpo, e essa distância é acompanhada de uma grande discrepância entre as expectativas de vida para os moradores de cada lugar: mais de 20 anos de diferença. Ela conta que mantém em mente as desigualdades percebidas ao longo de sua trajetória na hora de tomar decisões na gestão pública. “Meritocracia funciona muito bem da porta para dentro, mas para chegar naquela porta tem muitas desigualdades de oportunidades que precisam ser trabalhadas no mundo.”

Quando perguntada sobre suas expectativas para a Nova Era, Patricia respondeu que preza por um Brasil em que o CEP não determine as oportunidades de um cidadão e que a participação feminina em cargos de liderança e nos espaços de decisão seja equivalente à porcentagem de brasileiras.

Por fim, o Prof. Dr. Jacques Marcovitch realizou um panorama sobre os assuntos discutidos durante a aula e destacou o ensino público de qualidade como instrumento de mobilidade social e o conhecimento de outras culturas como maneiras de preparação para a construção do futuro. Em meio às incertezas que surgiram nos últimos anos, o diálogo com todas as camadas sociais e o combate às desigualdades são essenciais para a formação de indivíduos capacitados e a criação de políticas públicas que auxiliem no enfrentamento dos desafios da Nova Era.